Avançar para o conteúdo principal

Passado quase 8 meses voltei...

Ao mesmo trabalho que tinha antes de substituir uma colega que esteve em licença de maternindade. Não é como se já tivessem passado anos, ainda me lembro de quase tudo mas há pormenores que falham...tem a sua piada. Mas se estou contente? Sinceramente não. Quando mudo sinto sempre que é definitivo, não faço nada pela metade, cortei por completo com as antigas funções e assumi novas. Gostei do que aprendi, gostei dos colegas, no geral gostei bastante e portanto gostaria de lá continuar. Mas nem sempre é possível quando não há vagas para todos e então lá retomei as antigas funções. Primeiras impressões...está tudo igual. TUDO igual. Já vi que se em 8 meses nada mudou então é porque não muda mesmo. O que é pena, porque eu não gosto de monotonia, eu gosto de desafios, gosto de estar ocupada com coisas interessantes. E sinceramente mais do mesmo não era o que me apetecia nesta fase em que passei por um período grande de aprendizagem. Mas é como digo sempre, num sítio em que tudo muda num piscar de olhos não se pode esperar ficar intocável num determinado lugar. Tudo muda e muda rápido, resta-me esperar pela próxima mudança que me afecte directamente e pronto lá vou eu toda contente.
Por agora vou fazendo o que já sei fazer, sem surpresas ou dificuldades acrescidas. Não é mau de todo, tem as suas vantagens e dá-me algum sossego. Se dá.

Comentários

  1. Aconteceu-me o mm depois de 6 meses a substituir uma colega. Antes estava com dúvidas em ir, depois fiquei triste por voltar. Muito que aprendi e adorei no final de contas. Balanço positivo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que é sempre assim, primeiro temos dúvidas em ir e depois acabamos por gostar e até ficar tristes por acabar :/ Mas pronto é mesmo assim.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Dos chefes que não deviam ser chefes

Hoje não estou 100% e portanto vou desabafar um pouco. Há pessoas que, por vários motivos (justos e outras vezes nem tanto), são chefes mas que não deviam ser. Não deviam ser porque simplesmente não têm capacidade para o serem. Falta-lhes uma componente muito importante que é saber gerir recursos humanos.
Estes recursos que por acaso são Humanos, como o próprio nome indica, são recursos que não podem ser utilizados todos da mesma forma, nem podem ser avaliados (palavra que estes chefes tanto adoram) todos da mesma forma e porquê? Porque as pessoas não são todas iguais. Ora isto parece óbvio mas a verdade é que há pessoas que desconhecem esta verdade que afinal não é assim tão absoluta.
Há chefes que não têm a sensibilidade de perceber o que está à sua frente, às vezes está tão à frente que enerva, e que por esse motivo erram no julgamento, na avaliação e no tratamento dessa pessoa. Acho muito mau e acho que devia ser obrigatório uma formação de vez em quando sobre como lidar com pessoas…

Melhor coisa do mundo

Quando o nosso bebé nos dá aquele abraço apertado. Quando nos dá aquele beijinho que só ele sabe dar e que é um misto de ferradela e lambidela. Quando se põe em pé pela primeira vez no berço a olhar para nós como quem diz "o próximo passo vai ser conseguir sair daqui". Quando abre aquele sorriso lindo quando nos vê chegar. Quando faz aquele sorriso malandro (também lindo) por estarmos a pegar com ele. Quando solta umas gargalhadas contagiantes por estarmos a dizer uma palavra que ele considera muito engraçada. E a lista continuava porque a melhor coisa do mundo é ver o nosso filho tão feliz. Amo-te bebé.


Bebé e a tecnologia/tv

Cada vez mais leio opiniões de várias pessoas, com e sem bebés, sobre o uso de telemóveis ou outro equipamento para sossegar os mais pequenos. E sempre que termino de ler penso a mesma coisa. Será que estas pessoas nunca ligaram o telemóvel com uma música que o bebé gosta para o acalmar? Será que estas pessoas nunca puseram o bebé a ver tv para que ele comesse melhor a sopa/refeição sem ser aos soluços ou aos berros. Será que estas pessoas nunca estiveram num restaurante a tentar comer o seu prato com o bebé ao lado aos prantos e profundamente desconsolado porque falar com ele só não o acalma? Que sorte que estas pessoas têm. Eu não tenho. Eu preciso de vez em quando recorrer a estas ajudas para conseguir que o meu bebé acalme e consiga comer. Eu prefiro que ele veja um pouco de tv do que não coma nada ou vomite o que comeu por estar sempre a chorar. Mas isso sou eu. Posso estar errada, mas prefiro mesmo. Claro que não é uma fixação no telemóvel ou na tv. É por momentos e bastante rápido. M…