Avançar para o conteúdo principal

Passado quase 8 meses voltei...

Ao mesmo trabalho que tinha antes de substituir uma colega que esteve em licença de maternindade. Não é como se já tivessem passado anos, ainda me lembro de quase tudo mas há pormenores que falham...tem a sua piada. Mas se estou contente? Sinceramente não. Quando mudo sinto sempre que é definitivo, não faço nada pela metade, cortei por completo com as antigas funções e assumi novas. Gostei do que aprendi, gostei dos colegas, no geral gostei bastante e portanto gostaria de lá continuar. Mas nem sempre é possível quando não há vagas para todos e então lá retomei as antigas funções. Primeiras impressões...está tudo igual. TUDO igual. Já vi que se em 8 meses nada mudou então é porque não muda mesmo. O que é pena, porque eu não gosto de monotonia, eu gosto de desafios, gosto de estar ocupada com coisas interessantes. E sinceramente mais do mesmo não era o que me apetecia nesta fase em que passei por um período grande de aprendizagem. Mas é como digo sempre, num sítio em que tudo muda num piscar de olhos não se pode esperar ficar intocável num determinado lugar. Tudo muda e muda rápido, resta-me esperar pela próxima mudança que me afecte directamente e pronto lá vou eu toda contente.
Por agora vou fazendo o que já sei fazer, sem surpresas ou dificuldades acrescidas. Não é mau de todo, tem as suas vantagens e dá-me algum sossego. Se dá.

Comentários

  1. Aconteceu-me o mm depois de 6 meses a substituir uma colega. Antes estava com dúvidas em ir, depois fiquei triste por voltar. Muito que aprendi e adorei no final de contas. Balanço positivo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que é sempre assim, primeiro temos dúvidas em ir e depois acabamos por gostar e até ficar tristes por acabar :/ Mas pronto é mesmo assim.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

"He's Just Not That Into You" que filme do caraças!

O filme "He's Just Not That Into You" é um filme de 2009 mas esta imensamente atual. Eu diria até que é daqueles filmes intemporais, porque o fundo das relações continua o mesmo, os mesmos receios, dúvidas, esperanças e enganos que ainda se vivem nos dias de hoje. Ontem revi este filme e mais uma vez adorei. E até chorei! Numa das últimas cenas do Ben Affleck com a Jennifer Aniston (quem já viu sabe perfeitamente do que estou a falar :)) e quem não viu tem de ver! Chorei porque é verdadeiramente bonito, emocionante e tão aquilo que as relações devem ser, que não deu para evitar uma lagrimazita de emoção. Neste filme, como em outros do género, encontramos vários casais, cada um a atravessar uma fase diferente da relação. Temos encontros falhados, falsas esperanças, traição, novas paixões, amizade colorida ou amizade "interesseira" por assim dizer. Enfim encontra-se mesmo de tudo neste filme. Quem não conhece faça lá o favor de ver porque não se vai arrepender ;) E …

Mães trabalhadoras e Fit por aí?

Ser mãe e trabalhar não é só complicado pela parte de ter de deixar o bebé no infantário ou com os avós e desaparecer umas 8h :( também é complicado porque quando se quer fazer alguma coisa tipo...exercício físico...parece que não há nenhum tempo disponível e isso desmotiva :( Ter motivação para ir a um ginásio já é o que é, mas com esta falta de tempo, porque todo o tempo livre se quer aproveitar com o bebé, fica ainda mais difícil!! Digam-me como fazem. Que é como quem diz conselhos precisam-se :) Conseguem ir ao ginásio? Correm na rua? Vão numa hora em que o bebé ainda está no infantário? Deixam com os avós? Deixam com o pai? Fazem exercício só com os olhos? (este pratico bastante ah ah ah). As alternativas parecem muitas, mas vai-se a ver e meia dúzia delas não são fáceis de gerir. E qual é o resultado? Ser mãe trabalhadora não Fit :D

Amamentação - a minha experiência

Sei que este pode ser um assunto polémico. Existem várias opiniões acerca da amamentação, se se deve ou não amamentar, se faz diferença para o bebé, se sim por quanto tempo se deve fazer...enfim há opiniões para todas as hipóteses, inclusive os próprios médicos também se dividem. Mas este post não é sobre polémicas, é apenas sobre a minha experiência e a forma como consegui não desistir quando a coisa parecia que não se ia dar. Eu sempre quis amamentar. Li alguns livros onde falava sobre assunto e sentia que de certa forma estava preparada para quando chegasse o dia. Mas quando chegou deparei-me logo com a primeira dificuldade. O meu bebé não sabia mamar. Penso que é normal, mas eu achava que os bebés já sabiam todos como fazer, os chamados reflexos que eles já trazem. O meu pequenino tentava mas demorava imenso a conseguir fazer a chamada pega. Quando conseguia fazia a sucção na perfeição mas até conseguir era o cabo dos trabalhos. Eu já me imaginava em casa a demorar horas até consegui…