Avançar para o conteúdo principal

La Casa de Papel

Já muito se escreveu sobre a série mais falada do momento mas ainda poderá haver o que dizer e nunca é demais falar deste fenómeno :-).
Sim trata-se de um fenómeno muito à custa do empurrão da Netflix mas não podemos dizer que não é merecido.
Acabei de ver todos os episódios (atenção que poderá haver spoiler mais para baixo) e confesso que não me sentia tão envolvida numa série desde o Prison Break (temporada 1) ou Breaking Bad (quando resolvi ver, o que já foi um pouco tarde).
Esta Casa de Papel agarra desde o primeiro minuto e deixa-nos sempre, a cada episódio, com aquele bichinho de ver o que por aí vem.
Estamos a falar de uma série em espanhol (vejam o original porque vale mesmo a pena), lingua à qual não estamos habituados nas séries, pois o maior consumo que temos são as séries americanas e portanto estamos formatados para o inglês. Mas dá para perceber o bom que são os atores. Mas que bons que são. Todos sem excepção. Adoro o professor, aquela voz, aquela serenidade e aquele cérebro que pensou em tudo ao pormenor. É muito sedutor temos de admitir.
Pode parecer, num certo ponto, que o facto de estar tudo previsto já "irrita", ou seja, acontece qualquer coisa que invalida o plano...e pimba afinal o professor tinha previsto e está tudo controlado. Ao longo da série temos alguns momentos assim, mas em quase todos caímos sempre, porque achamos sempre que desta é que vai tudo por água abaixo, mas não e tudo se recompõe. Mas no fundo isto não é negativo, pois temos de pensar que um assalto planeado durante tantos anos tinha mesmo a obrigação de prever e antecipar todos os cenários.
Adorei também o Berlim. Um pouco psicopata e neurótico, mas acho que dentro desse seu mundo ele era uma personagem muito rica e que deu muito à série.
A inspetora é outra personagem muito rica e que fez toda a diferença. Li uma crítica que falava que esta era uma personagem "parva" e que no meio da crise não haveria margem para uma inspetora daquele "nível" decidir dar uma hipótese à sua vida pessoal e que na vida real nunca se iria envolver com ninguém enquanto resolvia o maior assalto da história. Mas eu não concordo. Acho que essa faceta dela, uma mulher frágil e desconfiada do amor e dos homens, faz dela uma mulher mais humana. Um misto de mulher de armas com mulher carente, que nos envolve e apaixona. Gostei muito dela e é sem dúvida, ao lado do professor, uma das minhas personagens favoritas.
No final, embora esteja tudo muito fechado e quase não parece haver margem para mais, fica a sensação de quero mais. Não quero que acabe. Quero saber o que vai acontecer com cada personagem agora que conseguiram sair. Precisamos de mais é verdade. Mas espero que não aconteça como no prison break por exemplo, da segunda temporada para a frente foi sempre a descer em termos de qualidade, de suspense, de enredo e até de interpretação dos atores. Às vezes mais vale não mexer no que já foi excelente. Mas vamos ver, fica a expectativa e a pressão sobre os escritores de uma das melhores séries da atualidade.

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Clínica Privada (última temporada) :-(

Então não é que a temporada 6 da Clínica Privada que começou este mês é a última temporada?!  Fiquei triste porque esta é uma das séries que vejo religiosamente desde o primeiro episódio que deu em conjunto com a Anatomia de Grey, e agora vai acabar :( A Kate Walsh, que faz a personagem principal Dra. Addison Montgomery, anunciou a sua saída da série no final desta temporada e então a criadora Shonda Rhimes não teve outra hipótese a não ser "acabar" com a série pois sem a personagem principal esta não fazia sentido e já tinham atingido o ponto alto de criatividade neste trabalho. Não foi bem isto que ela disse mas foi isto que eu percebi e concordo porque de facto já não ia ser a mesma coisa, para mim "Clínica Privada" é sinónimo de "Dra. Addison Montgomery".

Mas, por outras razões, a Shonda Rhimes tem sido alvo de duras críticas por decidir "matar" algumas personagens pelo facto de os actores quererem abandonar as séries, segundo os críticos exist…

Clínica Privada - Final

No seguimento deste post estou agora em condições de falar sobre o final da série Clínica Privada uma das minhas séries de eleição nos últimos tempos. E a qual fiquei muito desgostosa ao saber que esta ia ser a última temporada.
Mas tenho a dizer que Adorei esta temporada, deu o merecido destaque a cada personagem, fazendo até uma espécie de homenagem a cada um. No geral gostei do final de todas com excepção da personagem Sam Bennett, porque acho que não fez sentido aquele voltar ao passado quando no presente ele tinha tido uma segunda oportunidade com uma personagem que merecia um final feliz apesar de ter aparecido pouco na série (tentei não revelar muito para quem ainda não viu e quer surpreender-se :) )mas não foi isso que aconteceu e deixou-me um bocado chateada. Mas fora isso gostei mesmo muito do desenrolar da história, continuei a adorar a personagem Jake Reilly e a gostar cada vez mais da Charlotte King (grande actriz). E claro a sempre espectacular Addison que continuo a acredi…

Luísa Barbosa da Rádio Comercial

Ora eu não tenho nada contra a Luísa Barbosa mas hoje quando ia na minha pequena viagem até ao trabalho, como sempre, ia a ouvir a rádio comercial. E estranhei quando só ouvi vozes femininas, tirando claro a voz do nosso Ricardo Araújo Pereira. Mas estranhei as vozes pois nada do Pedro Ribeiro ou do Vasco Palmeirim. Pelo que percebi a ausência do Pedro devia-se ao facto da sua bebé ter nascido (parabéns aos papás!!) e o Vasco estava a caminho. Pois bem, mas isto tudo para dizer que não gostei das meninas lá sozinhas...estava a luísa e outra voz que não reconheci (se alguém souber por favor diga-me quem era). E não gostei porquê? Porque não percebi qual das duas estava à frente da emissão. Atropelavam-se uma à outra. Ora uma dizia a publicidade ora dizia o trânsito ora o tempo. Enfim era uma confusão :/ E a Luísa, no meu entender, mostrou que não está nada preparada para ficar sozinha. Gostei até mais da outra menina, que para além de ter uma voz espectacular, parecia estar muito mais à v…