Avançar para o conteúdo principal

"H&M" e os "Mee too" desta vida

Estamos numa altura perigosa.
Uma altura em que não existe preconceito às claras mas sim disfarçado.
Uma altura em que parece que andamos todos preocupados com o próximo mas se calhar não é bem assim.
Uma altura em que se fazem movimentos e se aproveitam grandes eventos com extrema visibilidade para fazer discursos "inspiradores".
Uma altura em que se aponta o dedo primeiro e só depois se reflete.
Ontem apareceu-nos a notícia da H&M e da famosa camisola verde com a frase "o macaco mais fixe da selva" (em inglês) a ser vestida por uma criança de cor.
Todo um alarido pela questão racial envolvida e do preconceito que não existe existindo. Vi a camisola antes de saber da polémica e não me suscitou nenhum tipo de pensamento. Nenhum. E li um comentário de alguém que dizia "que camisola fixe para eu oferecer ao meu irmão; sem nunca reparar na cor de quem a vestia". Pois é isso mesmo. Porquê reparar? Em quê?
É por isso que estamos numa altura perigosa. Basta alguém levantar uma questão, por mínima que seja e o caldo está entornado. Nesta era da tecnologia não podemos dizer um "ai" no aconchego do nosso lar porque não sabemos onde ele pode ser ouvido ou onde ele pode ter efeitos colaterais.
Tenho medo do que nos estamos a tornar.
Não digo que a questão racial não exista. Existe, mas pelos vistos quem não é preconceituoso não a viu. Deve haver uma explicação para isso.
Andamos às voltas com as questões do assédio sexual que muitas atrizes decidiram revelar (e contra isso nada a dizer porque a verdade é o maior poder que se pode ter) e vemos discursos sobre o tema que na verdade nada trazem porque o problema não é agora saber-se a verdade. O problema está do lado de quem compactoou com esses actos. De quem sabia existir todo este cenário em Hollywood e nada fez. Vi e ouvi o discurso da Oprah. Não consegui ignorar porque ela é uma mulher envolvente e demasiado influente para não lhe dar o valor que tem. Mas logo a seguir ouvi um comentário que defendia não entender a Oprah neste caso, pois tendo tido o programa mais visto em todo o mundo e tendo liberdade de convidar quem ela quisesse para o mesmo programa, não tivesse dado voz a estas mulheres mais cedo. Teve 25 anos para o fazer e não o fez.
Não sei quem tem razão neste caso e não me compete discutir isso.
Mas estamos ou não numa altura perigosa em que na verdade o mais importante é o jogo de interesses e não o interesse mais importante?!
Um trocadilho que dá que pensar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Clínica Privada (última temporada) :-(

Então não é que a temporada 6 da Clínica Privada que começou este mês é a última temporada?!  Fiquei triste porque esta é uma das séries que vejo religiosamente desde o primeiro episódio que deu em conjunto com a Anatomia de Grey, e agora vai acabar :( A Kate Walsh, que faz a personagem principal Dra. Addison Montgomery, anunciou a sua saída da série no final desta temporada e então a criadora Shonda Rhimes não teve outra hipótese a não ser "acabar" com a série pois sem a personagem principal esta não fazia sentido e já tinham atingido o ponto alto de criatividade neste trabalho. Não foi bem isto que ela disse mas foi isto que eu percebi e concordo porque de facto já não ia ser a mesma coisa, para mim "Clínica Privada" é sinónimo de "Dra. Addison Montgomery".

Mas, por outras razões, a Shonda Rhimes tem sido alvo de duras críticas por decidir "matar" algumas personagens pelo facto de os actores quererem abandonar as séries, segundo os críticos exist…

Clínica Privada - Final

No seguimento deste post estou agora em condições de falar sobre o final da série Clínica Privada uma das minhas séries de eleição nos últimos tempos. E a qual fiquei muito desgostosa ao saber que esta ia ser a última temporada.
Mas tenho a dizer que Adorei esta temporada, deu o merecido destaque a cada personagem, fazendo até uma espécie de homenagem a cada um. No geral gostei do final de todas com excepção da personagem Sam Bennett, porque acho que não fez sentido aquele voltar ao passado quando no presente ele tinha tido uma segunda oportunidade com uma personagem que merecia um final feliz apesar de ter aparecido pouco na série (tentei não revelar muito para quem ainda não viu e quer surpreender-se :) )mas não foi isso que aconteceu e deixou-me um bocado chateada. Mas fora isso gostei mesmo muito do desenrolar da história, continuei a adorar a personagem Jake Reilly e a gostar cada vez mais da Charlotte King (grande actriz). E claro a sempre espectacular Addison que continuo a acredi…

Luísa Barbosa da Rádio Comercial

Ora eu não tenho nada contra a Luísa Barbosa mas hoje quando ia na minha pequena viagem até ao trabalho, como sempre, ia a ouvir a rádio comercial. E estranhei quando só ouvi vozes femininas, tirando claro a voz do nosso Ricardo Araújo Pereira. Mas estranhei as vozes pois nada do Pedro Ribeiro ou do Vasco Palmeirim. Pelo que percebi a ausência do Pedro devia-se ao facto da sua bebé ter nascido (parabéns aos papás!!) e o Vasco estava a caminho. Pois bem, mas isto tudo para dizer que não gostei das meninas lá sozinhas...estava a luísa e outra voz que não reconheci (se alguém souber por favor diga-me quem era). E não gostei porquê? Porque não percebi qual das duas estava à frente da emissão. Atropelavam-se uma à outra. Ora uma dizia a publicidade ora dizia o trânsito ora o tempo. Enfim era uma confusão :/ E a Luísa, no meu entender, mostrou que não está nada preparada para ficar sozinha. Gostei até mais da outra menina, que para além de ter uma voz espectacular, parecia estar muito mais à v…