Avançar para o conteúdo principal

A importância de nos lerem

Este título podia ter dois significados.
1- A importância de lerem aquilo que escrevemos, ou
2- A importância de nos saberem interpretar.

Mas esta reflexão (quase) filosófica é mesmo sobre a primeira hipótese.
Eu durante muito tempo, posso dizer anos, escrevi muitos textos que ninguém leu. Escrevi porque sim, porque precisava, por terapia, por desabafo, por muitos outros motivos que nos levam a pôr numa folha tudo o que sentimos. Mas a verdade é que foram raras as vezes em que alguém os leu. Já li algumas partes em voz alta para que me ouvissem. Mas só isso. O resto ficou guardado.
E um dia decidi iniciar este blog. Não para colocar aqui esses textos, ou desabafar aqui, mas principalmente para que me pudessem ler. Não que eu tenha algo interessante para dizer sobre todos os assuntos, ou que possa fazer a diferença para quem me lê, mas sim porque senti que o processo de escrever sem que alguém pudesse ler pareceu-me triste. É como um livro pousado que nunca foi lido. Sempre preferi muito mais ler um livro emprestado ou emprestar a alguém, para que esse livro pudesse ser lido por mais do que uma pessoa, do que ter nas mãos um livro completamente novo. Sempre pensei que empresta-lo depois de o ler o valorizava ainda mais. Dava outro vida àquelas páginas.
E com os textos, sejam mais profundos ou não, sobre assuntos pessoais ou um simples comentário sobre um determinado tema, acontece o mesmo, ou seja, acho que se são escritos devem ser lidos. Mesmo que não cause nenhum impacto. Devem ser lidos. É para isso que são escritos, é a sua finalidade, alguém deve ler. Ou poder ler. É isto...pelo menos ter a hipótese de ler.
Pela parte que me toca obrigada por me lerem :)

Comentários

  1. Eu gosto imenso de ler e de saber que sou lida!

    ResponderEliminar
  2. Acho que toda a gente que escreve um blog é porque quer que leiam o que escrevem, nem que seja uma única pessoa. :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Dos chefes que não deviam ser chefes

Hoje não estou 100% e portanto vou desabafar um pouco. Há pessoas que, por vários motivos (justos e outras vezes nem tanto), são chefes mas que não deviam ser. Não deviam ser porque simplesmente não têm capacidade para o serem. Falta-lhes uma componente muito importante que é saber gerir recursos humanos.
Estes recursos que por acaso são Humanos, como o próprio nome indica, são recursos que não podem ser utilizados todos da mesma forma, nem podem ser avaliados (palavra que estes chefes tanto adoram) todos da mesma forma e porquê? Porque as pessoas não são todas iguais. Ora isto parece óbvio mas a verdade é que há pessoas que desconhecem esta verdade que afinal não é assim tão absoluta.
Há chefes que não têm a sensibilidade de perceber o que está à sua frente, às vezes está tão à frente que enerva, e que por esse motivo erram no julgamento, na avaliação e no tratamento dessa pessoa. Acho muito mau e acho que devia ser obrigatório uma formação de vez em quando sobre como lidar com pessoas…

Melhor coisa do mundo

Quando o nosso bebé nos dá aquele abraço apertado. Quando nos dá aquele beijinho que só ele sabe dar e que é um misto de ferradela e lambidela. Quando se põe em pé pela primeira vez no berço a olhar para nós como quem diz "o próximo passo vai ser conseguir sair daqui". Quando abre aquele sorriso lindo quando nos vê chegar. Quando faz aquele sorriso malandro (também lindo) por estarmos a pegar com ele. Quando solta umas gargalhadas contagiantes por estarmos a dizer uma palavra que ele considera muito engraçada. E a lista continuava porque a melhor coisa do mundo é ver o nosso filho tão feliz. Amo-te bebé.


Bebé e a tecnologia/tv

Cada vez mais leio opiniões de várias pessoas, com e sem bebés, sobre o uso de telemóveis ou outro equipamento para sossegar os mais pequenos. E sempre que termino de ler penso a mesma coisa. Será que estas pessoas nunca ligaram o telemóvel com uma música que o bebé gosta para o acalmar? Será que estas pessoas nunca puseram o bebé a ver tv para que ele comesse melhor a sopa/refeição sem ser aos soluços ou aos berros. Será que estas pessoas nunca estiveram num restaurante a tentar comer o seu prato com o bebé ao lado aos prantos e profundamente desconsolado porque falar com ele só não o acalma? Que sorte que estas pessoas têm. Eu não tenho. Eu preciso de vez em quando recorrer a estas ajudas para conseguir que o meu bebé acalme e consiga comer. Eu prefiro que ele veja um pouco de tv do que não coma nada ou vomite o que comeu por estar sempre a chorar. Mas isso sou eu. Posso estar errada, mas prefiro mesmo. Claro que não é uma fixação no telemóvel ou na tv. É por momentos e bastante rápido. M…