Avançar para o conteúdo principal

A importância de nos lerem

Este título podia ter dois significados.
1- A importância de lerem aquilo que escrevemos, ou
2- A importância de nos saberem interpretar.

Mas esta reflexão (quase) filosófica é mesmo sobre a primeira hipótese.
Eu durante muito tempo, posso dizer anos, escrevi muitos textos que ninguém leu. Escrevi porque sim, porque precisava, por terapia, por desabafo, por muitos outros motivos que nos levam a pôr numa folha tudo o que sentimos. Mas a verdade é que foram raras as vezes em que alguém os leu. Já li algumas partes em voz alta para que me ouvissem. Mas só isso. O resto ficou guardado.
E um dia decidi iniciar este blog. Não para colocar aqui esses textos, ou desabafar aqui, mas principalmente para que me pudessem ler. Não que eu tenha algo interessante para dizer sobre todos os assuntos, ou que possa fazer a diferença para quem me lê, mas sim porque senti que o processo de escrever sem que alguém pudesse ler pareceu-me triste. É como um livro pousado que nunca foi lido. Sempre preferi muito mais ler um livro emprestado ou emprestar a alguém, para que esse livro pudesse ser lido por mais do que uma pessoa, do que ter nas mãos um livro completamente novo. Sempre pensei que empresta-lo depois de o ler o valorizava ainda mais. Dava outro vida àquelas páginas.
E com os textos, sejam mais profundos ou não, sobre assuntos pessoais ou um simples comentário sobre um determinado tema, acontece o mesmo, ou seja, acho que se são escritos devem ser lidos. Mesmo que não cause nenhum impacto. Devem ser lidos. É para isso que são escritos, é a sua finalidade, alguém deve ler. Ou poder ler. É isto...pelo menos ter a hipótese de ler.
Pela parte que me toca obrigada por me lerem :)

Comentários

  1. Eu gosto imenso de ler e de saber que sou lida!

    ResponderEliminar
  2. Acho que toda a gente que escreve um blog é porque quer que leiam o que escrevem, nem que seja uma única pessoa. :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

"He's Just Not That Into You" que filme do caraças!

O filme "He's Just Not That Into You" é um filme de 2009 mas esta imensamente atual. Eu diria até que é daqueles filmes intemporais, porque o fundo das relações continua o mesmo, os mesmos receios, dúvidas, esperanças e enganos que ainda se vivem nos dias de hoje. Ontem revi este filme e mais uma vez adorei. E até chorei! Numa das últimas cenas do Ben Affleck com a Jennifer Aniston (quem já viu sabe perfeitamente do que estou a falar :)) e quem não viu tem de ver! Chorei porque é verdadeiramente bonito, emocionante e tão aquilo que as relações devem ser, que não deu para evitar uma lagrimazita de emoção. Neste filme, como em outros do género, encontramos vários casais, cada um a atravessar uma fase diferente da relação. Temos encontros falhados, falsas esperanças, traição, novas paixões, amizade colorida ou amizade "interesseira" por assim dizer. Enfim encontra-se mesmo de tudo neste filme. Quem não conhece faça lá o favor de ver porque não se vai arrepender ;) E …

Mães trabalhadoras e Fit por aí?

Ser mãe e trabalhar não é só complicado pela parte de ter de deixar o bebé no infantário ou com os avós e desaparecer umas 8h :( também é complicado porque quando se quer fazer alguma coisa tipo...exercício físico...parece que não há nenhum tempo disponível e isso desmotiva :( Ter motivação para ir a um ginásio já é o que é, mas com esta falta de tempo, porque todo o tempo livre se quer aproveitar com o bebé, fica ainda mais difícil!! Digam-me como fazem. Que é como quem diz conselhos precisam-se :) Conseguem ir ao ginásio? Correm na rua? Vão numa hora em que o bebé ainda está no infantário? Deixam com os avós? Deixam com o pai? Fazem exercício só com os olhos? (este pratico bastante ah ah ah). As alternativas parecem muitas, mas vai-se a ver e meia dúzia delas não são fáceis de gerir. E qual é o resultado? Ser mãe trabalhadora não Fit :D

Amamentação - a minha experiência

Sei que este pode ser um assunto polémico. Existem várias opiniões acerca da amamentação, se se deve ou não amamentar, se faz diferença para o bebé, se sim por quanto tempo se deve fazer...enfim há opiniões para todas as hipóteses, inclusive os próprios médicos também se dividem. Mas este post não é sobre polémicas, é apenas sobre a minha experiência e a forma como consegui não desistir quando a coisa parecia que não se ia dar. Eu sempre quis amamentar. Li alguns livros onde falava sobre assunto e sentia que de certa forma estava preparada para quando chegasse o dia. Mas quando chegou deparei-me logo com a primeira dificuldade. O meu bebé não sabia mamar. Penso que é normal, mas eu achava que os bebés já sabiam todos como fazer, os chamados reflexos que eles já trazem. O meu pequenino tentava mas demorava imenso a conseguir fazer a chamada pega. Quando conseguia fazia a sucção na perfeição mas até conseguir era o cabo dos trabalhos. Eu já me imaginava em casa a demorar horas até consegui…